quarta-feira, 13 de novembro de 2013

FOGUEIRA DE NATAL


Lá na minha aldeia
Fazia-se a fogueira de Natal
Todos juntos em assembleia
Era uma festa de afectos sem igual.
 
Homens, mulheres e crianças
No largo se juntavam em redor da fogueira
Havia música, Alegria, carinho e esperanças
Mais um Natal, uma festa, uma vida inteira.
 
Os minutos corriam, as horas nem se viam passar
A noite chegava , a fogueira de Natal iam acender
Com lenha, pneus, para que não se pudesse apagar
Eu, e todos os participantes, jamais iremos esquecer...
 
Saudades de tempos passados, dos Amigos!
Nos Natais todos éramos família
A fraternidade, os sorrisos, muitos sorrisos
Ecoavam, junto a fogueira de Natal que se fazia.

Mc.Batista
Saxon(13-11-2013)

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

PROCURO



Procuro não sei o quê, mas procuro!
No silêncio, na imensidão do vazio,
Que é tanto... procuro, e não encontro.
Talvez, porque não haja nada a encontrar,
Tudo já foi descoberto e eu perdi!
Mesmo assim, continuo na minha procura,
Sem saber ao certo do quê!
Passam os anos,
Desfilam as horas,
Correm os minutos,
E eu; procuro, no silêncio, na imensidão do vazio.
Que bom seria encontrar; mas o quê!?
Já percorri muito e continuo á procura,
Mas do quê, não sei!
Do nada?
Do sonho?
Será sempre assim,
Uma procura eterna,
Uma procura sem fim!?!?!?


Mc.Batista
Saxon 21-5-2011

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

REFLEXO


De manhãs longínquas,
Onde o sol brilhava!
De noites perdidas em que chorava,
Ao som de lágrimas continuas...
 
Reflexo, do que já fui noutro tempo!
Do que quero ainda ser,
Daquela fonte em que ía beber,
Correndo de encontro ao meu vento.
 
Todo o reflexo é importante.
O bom, o mau, o inconstante,
Fazem parte de mim, fizeram parte da minha vida!
 
E se por momentos me esqueci,
Do sabor que já senti,
Encontro-o no reflexo da vida por mim vivida!

Mc.Batista
Saxon (16-10-2013)

domingo, 6 de outubro de 2013

LEVA-ME VENTO


 
No teu corpo quero ir...
Feita pluma, em ti levitar,
Deixa-me vento voar...
Ser parte de ti e contigo seguir.
 
Vamos até ao fim do mundo,
Sempre com o mesmo querer,
Seremos um só, sem nada dizer,
Espalhando sentimento a cada segundo.
 
Leva-me oh; vento...
Serei eterno momento,
Aquele, que nunca passa.
 
Vento, faz de mim tua.
A ti entrego a minha alma límpida e nua,
Vou contigo, não receio, sou transparente nunca baça!

Mc.Batista
Saxon 5-10-2013

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

FORAM DIAS

 
Dias que pareciam noites!
Onde me escondia,
Do que realmente queria,
Retida em dias que pareciam noites!
 
Eu... na minha solidão.
Nada esperava,
 
O tempo passava,
Não via o dia, tudo era escuridão.
 
Ah... gostava de poder mudar,
Esquecer a dor, conjugar outra vez o verbo amar,
Ter dias e noites novamente com cor...
 
Sair do precipício no qual me encontrava,
Fugir da angustia que tanto me desesperava,
E... voltar a acreditar no amor...!

Mc.Batista
Saxon (21-9-2013)
 

terça-feira, 17 de setembro de 2013


... Na luz fria do dia,
Aparecem silhuetas pouco nítidas,
Sobressaltadas num olhar...
Vontades cruas,
Quereres descompassados,
Há muito perdidos no tempo!
Sonhos voam, retidos na aragem fria,
Sós; na dúvida se voltarão a ser...

Mc.Batista
Saxon(16-9-2013)

sexta-feira, 13 de setembro de 2013



Jorram lágrimas do interior de mim!
Sonhos ceifados,
Vontades perdidas,
Tantos ais impiedosos atormentam o meu ser.
Na escuridão que se fez o dia,
Mesmo sendo claro, há medos,
Diabos a solta que me pregam partidas!
Sem saber ao certo como continuar,
Avanço! Quero ir, ser, viver...
Nesta imensidão, dimensão, encontrar de novo a magia.
E sonhar... sonhar... sonhar...

Mc.Batista
Saxon(13-9-2013)

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Na noite fechada,
Esquecida de nós!
Por uma janela aberta,
Ecoam suspiros,
Despem-se sentimentos,
Gritam a alta voz.
Embora ninguém os ouça;
Estão lá, na noite iluminada!

Mc.Batista
Saxon(11-9-2013)

terça-feira, 10 de setembro de 2013

ETERNO

Será sempre o teu olhar...
Brilhante, profundo,
A alegria de quem o pode ver.
Eterno... o teu sorrir,
Lufada de vida,
Magia, frescura no meu mundo.
A tua presença é inesquecivel, meu "ar"...
Agora, mesmo faltando-me um pedaço,
Continuarei por nós a existir,
Passo a passo, um de cada vez, irei viver...
E... eterno serás no meu coração,
Estarás junto a mim a cada recordação.

Mc.Batista
Saxon(8-92013)

( Este poema  é dedicado a Elis Sena, em homenagem ao seu filho Paulo Patrick, que perdeu a vida num acidente nas manifestações no Brasil)

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

NO DIA...


Em que as palavras se tornaram mudas,
Breves letras sem sentido,
Dispersas, pareciam nem falar.
Sós, ecoavam no vazio,
No gelo que em mim se fazia sentir.
No dia em que emoções,
Ficaram surdas!...
Sem tempo para se fazerem ouvir,
Em fase terminal, não sabiam sonhar...
Nesse dia...
Dia sofrido,
Dia de esquesitas sensações,
Foi o dia em que tudo se transformou,
E lentamente o meu coração gelou!

Mc.Batista
Saxon(30-08-2013)

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

EMBARQUEI NUM SONHO


Na fragilidade da vida,
Embarquei num sonho.
De letras letras fiz o meu querer,
Construí barcos para assim poder navegar...
... No meu sonho, numa lágrima caída,
Transformada em mar!
Procurei quem comigo quisesse vir,
Éramos mais com o mesmo sonho.
Levantamos âncora dos barcos de papel,
Construído, decorado a letras e...
Lá fomos nós, para na vida renascer...!

Mc.Batista
Saxon(28-08-2013)

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

VIDA ERRANTE




No teu corpo me fiz,
Errando a cada passo.
No teu relevo vi fantasmas,
Ergueram-se medos,
De olhos fechados, deixei coisas por fazer!
Nesta vida quem quer ser feliz?
Eu e tantos outros... somos almas!
Vagamos com mais ou menos direcção,
Depois; e o cansaço!?
Faz-nos reféns, mesmo, daquilo que não temos.
Ah... vida errante! Talvez, sem solução,
Talvez, só, expectante!
Para assim ver...
...se em ti somos capazes de sobreviver!
 
Mc.Batista
Saxon(26-08-2013)

terça-feira, 20 de agosto de 2013

NUMA TELA


Pinto os meus sonhos...
Em suaves pinceladas,
Dou-lhes cor,
Sem deixar que desbotem.
Crio-os, recrio-os, são meus!
Guardo-os numa tela junto a mim,
Meu eu, minha identidade, minha imagem.
Caso a minha memória faça das suas,
Estarão lá, para que nunca os possa esquecer.
Meus sonhos... meu amor...
Numa tela pintados, não terão fim.

Mc.Batista
Saxon(20-08-2013)

domingo, 11 de agosto de 2013

ONDAS DESERTAS OU MAR DESERTO




Num mar deserto de ti,

Ondas vagavam,
Outras choravam,
Nunca outro mar assim vi!

Incolor, manchado de ausência.
Ondas desertas de sentir,
Cansadas de ir e vir,
Num mar profundo, um mar de carência.


Já nem as algas queriam lá estar,
Os peixes, eles, esqueciam o seu belo nadar,
As ondas, agora desertas, não queriam viver...

Um mar perdido no tempo!
Ondas desertas esperavam o momento,
Para que num outro mar pudessem ser...

Mc.Batista
Saxon(11-8-2013)

quinta-feira, 8 de agosto de 2013

LOUCURA DOS SENTIDOS

Olhos usurpadores, fingem ver...
... Vêem labaredas num mar despido.
 
Ouvidos que escutam silêncios,
Num ruído constante.
 
Um nariz cheira odores perdidos,
Passados, encalhados num lado qualquer.
 
Uma boca fechada,
Um sabor do que não se tem.
 
Mãos sem nunca tocarem,
Definham em precípicios e num instante...
Renascem das cinzas o desaparecido.
 
A loucura dos sentidos...
Esculpida numa árvore enraizada!

Mc.Batista
Saxon(8-8-2013)

terça-feira, 6 de agosto de 2013

COM ALGUMAS CORES

 
Pintei um mundo.
Em tons azuis,
A saudade, os meus uis,
Todos, segundo a segundo.
 
De vermelho; quis ver o mar...
... Mar intenso,
Quanto imenso,
Com a cor vermelha o quis pintar.
 
Ao sonho dei-lhe cores amarelas,
Brilhantes como o sol, as estrelas,
Julgando mesmo, que sorriam para mim.
 
Tanto havia ainda por colorir...!
Resolvi, então, ao céu subir,
E por lá ficar, vendo o mundo assim.

Mc.Batista
Saxon( 6-8-2013)

segunda-feira, 17 de junho de 2013

NUM OUTRO TEMPO

 


Onde estrelas bebiam luar...
... E o luar queria ser água.
 
Onde o tempo era outro;
Corriam sois,
Dançavam luas,
Até o vento chorava a sua mágoa!
Nesse outro tempo...
 
Fui sonho de um dia,
Em mãos tuas.
Fui ar...
... Fui sentir, o teu sentir!
Nasci, morri,
Fui tristeza e Alegria.
 
Num outro tempo...

Mc.Batista
Saxon (15-6-2013)

quarta-feira, 12 de junho de 2013

ESQUECIDA NA NOITE


Noite de uma escuridão intensa,
Só a lua brilha.
A claridade perdeu-se,
Na noite escura não consigo ver,
Mas mesmo assim aqui estou eu!
Já nem sonho,
Não ando,
Deambulo, sem saber onde vou,
Qual o passo que devo ter,
Se o tenho!
O beijo, aquele, escondeu-se,
E eu fiquei só... olhando a lua,
Esquecida na noite, por ela ferida.
Olho... beijo a lua e não vejo o céu!

Mc.Batista
Saxon (11-6-2013)

sexta-feira, 7 de junho de 2013

MOMENTOS DE NÓS



No silêncio...
Soltam-se momentos nossos,
Clarões de paixão iluminam o nosso mundo.
Arrepios,
Calafrios de prazer,
Invadem-nos, segundo a segundo.
Corpos que se completam,
Falam a mesma língua,
Dão-se á exaustão,
Embrenhados de sentir,
Respirando o mesmo querer...
Momentos... eternos momentos...
... Que são tudo e nos saciam!
Tu e eu, o mesmo existir...
Momentos de nós!

Mc.Batista
Saxon (7-6-2013)

quarta-feira, 5 de junho de 2013

PENA E O AMOR...

De uma pena faço amor,
Por ele me deixo levar...
Flutuo num sentimento, que sem acabar,
É rei, gladiador campeão naquela arena!
Arena; um palco de emoções...
A vida...!
Por todos nós sentida,
E que nos dá tantas lições.
Pena e amor... juntos, abraçados,
Voam... são música,
Nós; somos sentir...

Mc.Batista
Saxon (4-6-2013)

Naufraga



Rodeada de ilusões,
Pensamentos tão meus...
Naufraga de um sonho.
Tanto vi acontecer,
Num barco de papel,
E aqui estou eu...!
Com medo não sei de quê,
Vontade de mais...
... Mas de quê!?
Olho de longe emoções,
Mas, sem as tocar,
Sigo; preferindo nada saber.
Por certo, há algo mais?
Porém; o melhor é continuar...
... Nem que seja em barco de papel!

Saxon
Mc.Batista

quinta-feira, 23 de maio de 2013

FALOU O AMOR...




Disse-me então:
- Vem, vem, para junto de mim...
Sou o infinito,
Tudo que há de mais bonito,
Uma escolha; o teu sim.
Respondi-lhe com prontidão! :
- Porque devo eu ir!?
De ti nada sei,
Podes ser um fantasma que cruzei,
Que só me quer é seduzir!
- Não, não... sou verdade,
A tua. Podes é não querer ver,
Vem comigo e faço-te nasçer.
Lá de onde venho, não há senão amabilidade.
Falou o amor... e eu ouvi!.
Mas de todas as noites que já vi,
Poucas aquelas que tinham estrelas a brilhar!
Eram perdidas, noites de escuridão,
Esqueci que também tinha coração,
Por isso; como podia eu amar!?
Retorquiu o amor...
- Vem... sou luz, segue-me.
Disse-lhe então:
- Se for; ensinas-me?

Mc.Batista
Saxon (21-5-2013)

VALSEMOS OS DOIS




Esta é a dança do amor...
Entrega-te nos meus braços,
Esquece dores e cansaços,
Nesta pista, vamos fazer furor.

Ao som da valsa vamos dançar...
Sente os nossos corpos que pedem mais,
Passo aqui, volta ali, somos iguais,
No mesmo compasso somos vibrar!

Dá-me a tua mão,
Descobre o meu coração,
O amanhã, é agora!...

... O sempre, o infinito,
E... esta valsa o que há de mais bonito,
Por isso, valsemos os dois, chegou a hora!

Mc.Batista
Saxon (20-5-2013)

sexta-feira, 17 de maio de 2013

FLOR BELA

 
 
Livre... pétalas ao vento.
És tu a flor bela,
Imagem, aguarela,
Um sonho... o meu, momento!
 
Quantas as vezes eu te fui ver...
Sentir o teu odor,
Maravilhar-me com a tua cor,
Lá no monte onde te via crescer.
 
E... a cada primavera, tu chegavas,
Flor bela, campestre, por mim esperavas,
Até parecia mesmo, que me querias falar.
 
Como gostava de falar contigo!
Poderia, para os outros, nem fazer sentido,
Para mim; ninguém, pode imaginar!
 
Flor bela, já não sou a criança que te visitava,
Mas, sei ainda, o caminho que até a ti me levava!

Mc.Batista
Saxon (16-5-2013)

quinta-feira, 16 de maio de 2013

No AZUL...

 
Mergulhei no azul do mar.
Azul profundo, intenso, imenso...
... Que chamava por mim!
Saltei no azul do céu.
Suave, puro, brilhante...
... Como a mais bela pluma a flutuar!
Quis, tocar no azul...
Azul meu,
Meu sonho, meu diamante.
E aí descobri, que o azul...
 É mais... é um sem fim!

Mc.Batista
Saxon(16-5-2013)

terça-feira, 7 de maio de 2013

ANOITECE



 
Desmaia o furor da aurora,
Numa tristeza que já vi.
Desfolhada no tanto que já senti,
Multiplicada no dia, no ontem, no agora!
 
Desfilam perante mim sonhos, quereres...
Em busca de uma tal de felicidade,
Porém só encontro uma tal de saudade,
Que me leva os dias e me deixa anoiteceres!
 
Ah! Eterno procurar...
Talvez uma utopia, num olhar...
Talvez, mesmo, onde não há!
 
Assim, aos poucos, anoitece.
No dia uma alma adoece,
Na noite desmaiada, fica lá!

Mc. Batista
(Saxon 06.05.2013)

SONETO Á MINHA MÃE



 

Grandiosa...
Mulher coragem,
Nos olhos trás a imagem,
Do que é; Mãe Amorosa.

Os anos passaram por ela e por nós.
O tanto que se entregou,
Aos filhos com nada faltou,
Sempre nos deixou livres mas nunca sós.

Mãe... o teu sorriso, o teu Amor.
Tudo que deste, fruto do teu suor,
Nunca, jamais irei esquecer...

... Não esquecerei, os manos também não,
Mãezinha querida és parte do meu coração,
Como tal, parte da minha alegria, do meu viver...

Saxon  3-52013
Mc.Batista

INTENSO...




Cai um peso em mim...
Um saber nunca alcançado,
Mistério inacabado,
Intenso, um sem fim...!
 
Segundos; viram horam, dias...
Noites; escuridões,
Onde lavo emoções,
Em águas limpídas...frias!
 
Ele, o intenso, sempre me apanha,
Num mundo sou a estranha,
Olho-me, sem me saberem ver!
 
Então, este peso torna-se mais forte,
De um intenso cruel, quase morte,
Tirano, que não me quer deixar viver!
 
 
Mc. Batista
(Saxon 06.05.2013)
 

terça-feira, 30 de abril de 2013

MORTE DE UM VERBO


Encrostados de vazio,
Âncorados em mim,
Retidos num olhar...
... Agora, frio, despojado de calor,
Surdo aos olhos de quem o vê!
Memórias vazias,
Rostos rasgados,
Sem brilho nem cor.
Um mar sem fim...
De respostas por dar,
De momentos esquecidos,
Que já nem o sonho crê!
Palavras desfeitas,
Um verbo morreu...!

Saxon  23-4-2013
Mc.Batista

segunda-feira, 29 de abril de 2013

EM MIM...


Nos cabelos trago recordações,
Que se foram apagando,
Com cada tesourada da vida.
Nos meus olhos o que vi...
Sorrisos, lágrimas e mais muito mais!
Na minha boca palavras caladas,
Outras, que se vão dizendo.
No nariz e nos ouvidos,
Odores que gritam.
Nas minhas mãos, carinhos,
Os que me deram, ou os que nem senti!
Em mim trago emoções,
Entranhadas na pele. São caminhos,
Esperanças, que não se perderam,
E... sonhos, para continuar...

Saxon  28-4-2013
Mc.Batista

quarta-feira, 24 de abril de 2013

Rio de emoções

Transborda de sentires...
Alheio ao que pode causar,
Distraído corre... sem pensar,
Nas lágrimas da sua própria íris!

Foi neste rio que me afundei.
Entregue a fortes correntes,
Emoções sempre presentes,
E, agora, como sair já não sei!

Passaria horas se vos contasse o que me aconteceu!
Digo apenas que neste rio, os sonhos são réus,
Num tribunal de emoções onde não há direito a recorrer.

Sonhos... privilégio só de alguns,
Poucos, ou quase nenhuns,
Passam por este rio sem sofrer!

Saxon 24-4-2013
Mc.Batista

segunda-feira, 22 de abril de 2013

FIM DE UM SENTIR

 
 
Segredos escondidos...
Mastigados de Ilusão,
Envoltos no nada!
Sonhos perdidos,
Gastos no tanto que mudou.
Rasgam-se os céus,
Gota a gota, tombam... lágrimas.
Insípidas, incolores, invisíveis...
... Um sentir findou!

Saxon  22-4-2013
Mc.Batista

domingo, 21 de abril de 2013

ESCOLHAS




Tantas perdidas...
Outras por fazer,
Dilaceradas no viver,
Tantas esquecidas...!

Podendo voltar no tempo,
Seria...
Eu cria,
Ser letra, seguimento...

...Do mais belo poema e nele me perpetuar.
Também seria ar... para contigo poder estar,
Para que me pudesses sempre sentir,

Ser uma escolha! A tua.
Nunca mais uma, fria e nua,
Despida de sonhos sem nada para vestir.

Saxon 21-4-2013
Mc.Batista

quarta-feira, 17 de abril de 2013

QUERER [PODER]

 
 
Fogem sonhos,
Afundam-se pensares,
Encendeiam-se céus,
Rasga-se o mundo!
Nesta luta desmedida pelo querer [poder]...
... Mais, sempre mais...
Esquecem-se valores,
Volatizam-se sentires,
Aparecem, dores.
Oh...! Triste e profundo querer [poder]...
O que fizeram de tI!
E dizem, que é por ti,
Em prol de um mundo, onde todos possamos ser iguais!!!

Mc.Batista
Saxon  17-4-2013

quinta-feira, 4 de abril de 2013

CARTA DE AMOR

 
 
A que nunca envie.
Rasurada a lágrimas ficou,
Palavras...
... Tantas, que tinha para te dizer.
Todas elas vivas,
Embrenhadas de sentir,
O meu, que não acabou!
Escrevi uma carta de Amor...
E, a cada letra, chorei!
Um adeus, por ler,
Um sonho acabara de sucumbir,
Uma carta rasgada a dor...!

Saxon  3-4-2013
Mc.Batista

quinta-feira, 21 de março de 2013

LUÍS PASTOR

 
 
Lá vai ele para mais uma jornada
Nada f'acil mas encara-a a sorrir
Nunca se perde em nenhuma encruzilhada
Pois sabe como ninguém o caminho a seguir.

A honestidade rege a sua vida
Amigo;  pronto a ajudar
Encontra sempre uma saída
Para a todos poder agradar.

Divide com todos o seu carinho
O melhor que tem é para oferecer
E todos no seu coração têm um cantinho
Por isso dele nunca nos vamos esquecer.

Orgulha-se de ser quem é
A todas as coisas da valor
Um homem de convicções e fé
O meu Pai querido ti Luís pastor.

quinta-feira, 14 de março de 2013

AMEMOS-NOS OUTRA VEZ...

 
 
 
 
No tempo... pelo tempo...
Perante o mesmo sol.

No dia que ade vir,
Na noite que se aproxima,
Num só querer,
Eterno sentir...

... E até por um só segundo.
Amemos-nos... outra vez...!

Mc.Batista
Saxon   14-03-2013

sábado, 2 de fevereiro de 2013

PERTO E TÃO DISTANTE!



Sinto-te...
perto mas tão distante!

Tento encontrar-te,
e não consigo.
Olho, olho, sem te ver...
Minha metade meu ar,
meu abrigo,
minha mão!

Perto, porém distante!

Será que pode ser?!!!
Onde andas tu então?
Que nunca chegas,
é lento o teu andar,
acumula-se o tempo,
e a tua presença; errante!

Sinto-te...

Perto mas tão distante!

Saxon   2-2-2013
Mc.Batista

SERPENTE MULHER

^
 
Enganas, destilas  veneno,
a tua picada é letal...
... para que a tua presa sofra mais.
Julgas dominar o mundo,
sem mesmo te dominares a ti.
O teu forte, hipnotizar,
enfeitiçar, é um erro,
és um ser comum, banal...
... e de serpente, de mulher nem sinais!
Rastejas, respiras pó aqui, ali,
como vês...!
Nada interessante, nada tens do que te gloriar.
A tua aparente "força" fica aquém,
desces baixo, tão baixo, tocas no fundo!
Ser igual a ti? Ninguém quer! Ninguém...
Serpente mulher...
não sabes viver!

Saxon  2-2-2013
Mc.Batista

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

NO ARDOR DA NOITE

 
 
Ebule a noite...
No calor dela ardemos,
somos lava de um vulcão,
que despertou de um sono profundo!
Corpos reluzentes brilham,
no ardor da noite, de todas as noites...
Transpiram paixão,
banham-se em nós,
saciando desejos, querendo mais!
Mergulhamos  na noite,
no feitiço, mistério, no segundo;
que é eterno! Ouve-se uma voz, a voz...
Sugerindo-nos o tal calor que é Amor,
uma entrega, um querer... que é viver...
Lembrando-nos; que se quisermos,
todas as noites podem ser iguais!

Saxon  30-1-2013
Mc.Batista

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Dança Comigo

 
 
Vem... dança comigo...?
Sente o ritmo,
que nos chama, é bonito,
vem... vamos dançar.

O teu corpo junto ao meu;
no mesmo compasso,
unidos por um laço,
invisível a um simples olhar.

Vem... não queres dançar comigo?
É a dança do Amor...
... a, que um Deus quis compor,
para que quem a bailasse visse o céu!

Vem dança comigo...
e verás que tudo tem sentido!

Saxon  28-1-2013
Mc.Batista

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

MULHER PEQUENINA



Minha menina...
Agora, já tão grande,
quase uma mulher.
Entranhas de mim,
vindas do meu ser...
Mulher pequenina,
Era assim que eu a chamava,
pequenina, uma criança, mas o meu sim,
com ela e por ela, no dia avançava!
Minha mulher pequenina...
Minha filha, minha menina.
 
Mc.Batista
Saxon 25-1-2013

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

PONTEIRO DOS SEGUNDOS

Ela corre,
ela dança,
ela pula!
Ponteiro dos segundos.
Assim me ocorre apelida-la,
á minha caçula!
Pequenina e irrequita,
sempre pronta a brincar,
mas ainda não sabe andar de bicicleta,
porém, vontade e genica tem para dar.
É ela como o ponteiro dos segundos...
É ela também um dos meus mundos!

Saxon 21-12-2012
Mc.Batista